Marc Ching - Animal Hope and Wellness Foundation


O brilhante jovem ativista Marc Ching


HERÓI DOS ANIMAIS: MARC CHING

O nutricionista americano Marc Ching criou em 2011 a Fundação Esperança e Bem-Estar Animal - Animal Hope and Wellness Foundation (AHWF) - organização sem fins lucrativos que se concentra no resgate de animais maltratados, prestando serviços de reabilitação e trabalhando para encontrar boas famílias para adotá-los.

Em Los Angeles, a fundação também mantém o site www.reportanimalabuse.org, onde cidadãos preocupados podem deixar dicas sobre casos de abuso local de animais, que Ching investiga pessoalmente com sua equipe.


Marc Ching com cão resgatado do festival de Yulin, levando consciência aos jovens sobre a importância do bem-estar animal



FESTIVAL YULIN DOG - CHINA

Todos os anos, entre junho e julho, acontece na China o tradicional festival Yulin Dog Meat.

Depois de conhecer a prática brutal de torturar cachorros antes de matá-los por sua carne que acontece nesse festival, Marc Ching sabia que sua vida nunca mais seria a mesma. Posando como um rico comprador americano que procura comprar cachorros na Ásia, Ching vai a matadouros e secretamente filma a tortura dos inocentes animais, muitas vezes sendo ameaçado com machadinhas, bastões de metal e outras armas nessas missões de resgate.

A Humane Society estima que 30 milhões de cães são mortos na Ásia todos os anos pela indústria, sendo 10 milhões apenas no festival da China.


ESPERANÇA E LUZ NO FIM DO TÚNEL

Ao final do festival Yulin 2017, Marc e sua equipe conseguiram resgatar 858 cachorros e levá-los para a Fundação, em Los Angeles, Califórnia, para serem adotados e terem direito à liberdade, ao amor e a uma segunda chance na vida.

Nesse ano, Marc também comprou uma fazenda / matadouro de cachorros em Busan, Coréia do Sul, com mais de 20 anos de atividades. Durante seis meses de negociação, eles finalmente decidiram fechar. Marc e sua equipe resgataram todos os cães e as cabras, destruindo a instalação com tratores - a única garantia de que nenhum animal morreria novamente ali.

Outras unidades de fazendas de cães e gatos também foram compradas por Marc, sob compromisso dos antigos donos não voltarem a praticar comércio similar. Essas ações acontecem por conta de doações de dinheiro de particulares, doações de medicamentos, voluntários, veterinários e outros profissionais que viajam de outros países para socorrer os animais vítimas desses abusos inomináveis.


COMÉRCIO ILEGAL

Apesar de ser legal o consumo de carne de cães e gatos na Coréia, China e em países vizinhos, frequentemente ocorrem abusos.

No final de 2017, Marc Ching visitou dois matadouros e três fazendas de cães em Busan, Coréia do Sul, levando dois representantes do governo, tendo-lhes explicado sobre a mudança que está tentando fazer. Nas palavras de um deles: "Me abriu os olhos... vejo agora por que as leis precisam ser mudadas e reconheço o valor do seu trabalho". Esse representante do governo nunca tinha ido a uma fazenda ou matadouro. Agora é testemunha das condições de brutalidade e violência a que os animais são submetidos.

Uma das fazendas visitadas era ilegal e não licenciada. Marc Ching resgatou todos os cachorros e coelhos que seriam abatidos. O funcionário do governo afirmou que os proprietários seriam multados e as instalações, fechadas.


Marc Ching e a atriz canadense Emmanuelle Vaugier no FluffBall, evento para angariar fundos


REDES SOCIAIS

Utilizando redes sociais e com apoio de artistas, Ching e sua Fundação expõem ao mundo a inimaginável angústia e sofrimento que esses animais passam, com vistas a promulgar mudanças e forçar o governo a criar leis contra essa tradição infundada, bárbara e cruel.

Cantores, atores e atrizes de todo o mundo têm apoiado essa causa tão necessária, fazendo shows para angariar fundos e arrecadar doações.

Países que praticam o comércio de cães e gatos para consumo de sua carne: China, Coréia, Indonésia, Laos, Camboja, Myanmar, Phillipines, Tailândia e Vietnã. A matança dos animais acontece livremente nas ruas, em restaurantes e em festivais como o Yulin na China. Mesmo sendo legal, grande parte desse comércio é clandestino.



VOCÊ PODE AJUDAR!

Mesmo daqui do Brasil, podemos dar uma grande ajuda! É fácil contribuir com dinheiro: clique aqui na página de doação. Os recursos são aplicados para resgate, proteção e defesa dos animais.

Você também pode doar milhas de passagens aéreas para viagens dos animais resgatados para abrigos na Europa, Austrália e América do Norte.


Doe R$ 50,00! 
Doar


Doe R$ 100,00! 
Doar


Doe R$ 500,00! 
Doar




UMA MENSAGEM DE MARC

(...) Na província de Tongzhou da China, arrisquei-me no matadouro de uma pequena comunidade. Haviam cães, gatos, coelhos e medo que transpiravam das paredes com tanta intensidade, que o próprio medo parecia ter medo de enfrentar a morte e morrer sozinho.

Quando minha alma perfurou esse buraco escuro, meu coração sangrou através dos meus olhos, se derrubando no chão abaixo de mim. Não consigo sequer colocar em palavras o que vi. Eu nem consigo usar a tinta na minha caneta para descrever criaturas vivas acorrentadas a mesas com seus órgãos expostos.

Gritando. Alguns sem pés.

Alguns sem olhos.

Ainda vivos... e gritando.

Perguntei, por que não matá-los primeiro? Ele disse que é a cultura, e que eles estão fazendo isso da mesma forma há anos.

A escravidão costumava ser cultura. Mas quando o coração humano cresceu em tamanho e grandeza, a história tornou-se passado. A história tornou-se uma ponte que nos ensinou não o que fazer, mas como fazer melhor.

Eu disse a esse homem, a maior coisa do mundo não se encontra na morte. Encontra-se na respiração da vida para os outros. Só há sangue na morte. Somente destruição. Sem amor. Sem esperança.

Seu rosto era um olhar vazio. Meu presente, um poema para os olhos que não podiam compreender, ou talvez não se importasse.

Resgatei todos os cães que pude, os fortes o suficiente para sobreviver ao transporte. Salvei três gatos e libertei um par de coelhos pelo rio. Os torturados que morreram lá, mordi meus lábios e derramei lágrimas com esperança de que nas trevas - eles soubessem que não estavam sozinhos.

O maior presente na vida não é a morte - é a respiração da vida naqueles que não podem respirar por si mesmos. Em todo o meu desejo de que quem eu sou fosse mais forte. O maior presente da vida é dar. (...)


Marc Ching

Marc Ching

Marc Ching

Marc Ching

Na cidade de Seoul, Coréia do Sul, moradores protestam contra o comércio de carne de cães e gatos

Alguns dos animais resgatados do festival de Yulin em 2017

Marc Ching: um herói para os animais!


Fonte:





http://www.lauravegan.com/

Texto: Laura Kim